Archive for julho \28\UTC 2008

h1

Leave Amy alone…

28 julho, 2008

Há muito, penso em falar da Amy. Mas é tão chato quanto assistir à Hebe, falar da Britney, ou chutar a Paris Hilton.

Aliás, chato mesmo é ler os “esta moça está se acabando”, “ela mal começou e já destruiu a sua voz e imagem”… boooored!

Eu adoro a Amy e por isso mesmo me sinto no dever de dizer que ela merece morrer jovem. Como os grandes.

De tuberculose, se possível. Então tem que cheirar muuuuuuito, beber muuuuito, foder muuuuito.

Já deu sua contribuição ao mundo e se ela virasse politicamente correta seria como o Roberto Carlos envelhecendo: total incoerência.

Ok… agora das outras muito menos talentosas:

E o que falam da senhorita Hilton então?! Thédoidé?! Se eu tivesse 1/3 do faz-me rir dela, faria as mesmas coisas (aliás, não tenho um puto no bolso e já tento fazer… só me faltam os vídeos e o paparazzi). Deixa ela queimar o dinheiro dela, rapá.

Falando em Britney, só gosto dela nesta fase decadente. Britney, continue obesa e beberrona, tá ótema, amiga!

Fica o recado, tal como do fã da Britch: Leave Amy alone!

P.S.: Tá fazendo sucesso uma moça com um excelente hit que diz ao ex-namorado: Você é tão gay. Pensei que eu ia adorar, tal como o Garota rock inglês. Mas não, é só mais uma HTML (hétero meio lésbica).

Anúncios
h1

Drops de inconveniência dos outros

28 julho, 2008

Do indefectível Pernas abertas, a frase que melhor define a necessidade de todo mundo praticar a masturbação tal como acontece a escovação dentária. Pelo menos 3 vezes ao dia, para manter a saúde.

h1

Eita mulher deixa de manha…

28 julho, 2008

Simone e Zélia Duncan começaram uma turnê juntas…

Quem, em sã consciência, pagaria pra ouvir velcro colando? Só HTML (héteros meio lésbicas).

Será que o nome do show seria: “aprenda a fazer sabão em 20 canções”? E o título: “Show para você que sempre se sentiu como as irmãs da Cinderela. Aqui você acha um sapatão que caiba no seu pé”?

Resolvi me informar sobre o assunto…

Depois de ler uma matéria, chego às conclusões:

Elas são uma droga e sabem disso. Prova-se no descrito: “Ali começou, ali bateu”.
Ou seria bateu ali uma siririca?
Se for… porque diabos eu preciso ficar sabendo das intimidades destas duas?

Já não bastava a Ana Carolina viver dizendo que é bi?

Aí… fica a fama pros homens que não agüentam comer sem contar vantagem depois.

h1

Eletrochoqueterapia

25 julho, 2008

Estava conversando com um grande amigo, o 100grana Vinícius Passos, sobre dublagem. Entre uma preferência e outra, confessei que durante toda a minha adolescência e pós-puberdade as vozes que embalavam minhas fantasias sexuais e se transferiam para o meu chuveirinho eram as do Batman e do James Bond. (Quê que foi? tem gente com tara no pé dos outros e eu não posso ferver de tesão com voz?)

O amigo me deu a dica: os dois são feitos pelo mesmo dublador!

Eu, louca pra descobrir o homem das minhas fantasias: quem é o rapaz?

Fomos para o computador, onde ele me mostrou um velhinho simpático, lembrando o Papai Noel: Marcio Seixas.

Este foi o 1º choque. Percorreu minha espinha, quase degringolei. Fiquei pálida, juro!

Como pode? O homem da voz mais máscula que já visitou meus tímpanos, a voz de quem eu daria até meu ouvido pra ele comer… é um tiozão ambervision.

Destruiu 70% das minhas fantasias sexuais… me fez não querer olhar pra minha buceta por um bom tempo, de tão envergonhada da descoberta.

Pois bem, o tempo passou na janela e só Carolina não viu e neste sábado, Dercy Gonçalves morreu.

Sim, ela que era a única pessoa com mais de 90 anos que não esperava pela morte. Nem ela, nem ninguém achava que isto aconteceria um dia.

Aconteceu. O 2º choque. Putaquepariu a sogra do Homer!

Deprimida e sem saber o que escrever sobre o acontecido, fiquei distante dos amigos, de pijama em casa, assistindo tv a semana inteira.
Praquê?! Pra levar o 3º choque na cara!

Aparece na Tv, uma figura que me parecia conhecida, por poucos segundos me perguntei se era ele, e aparece escrito na tela: Antonio Prata. A razão de mais 25% das minhas idéias quando eu me masturbo. Ok, pode começar a reclamar: ele é bonito, escreve muito bem, é legal e, antes de tudo, é filho do genial Mario Prata. Mas aí eu começo a ouvir a voz do rapaz… QUE VOZ HORRÍVEL!

Se este eu achava bonito, a voz eu não imaginava que era de pato rouco. Ok, agora somava 95% de fantasias, tesões, intensas adorações… DESTRUÍDAS!

Tudo por causa de voz…

O que me fez pensar que o abalo cósmico ocorrido graças à morte da Dercy deve ter afetado o universo. Explico:

1 – Surgiu uma brecha no universo e monstros de outras dimensões podem aparecer do nada, no meio da rua. Realidades alternativas podem perpassar pela nossa. Se a Dercy foi capaz de morrer, acredito na Eliana.

2 – Agora, a Hebe bem que poderia ir junto, só não vale levar o Keith Richards também.
3 – Deus resolveu fazer uma brincadeirinha comigo. Matou a Dercy, trocou as vozes dos meus objetos imaginativos sexuais e quer testar minha sanidade mental. Por que Deus faz essas coisas? Porquê?

Só sei que vou passar um loooongo período sem sequer olhar pra minha buceta.

Depois de toda esta história… ela ficou puta! Aprendeu com a Dercy.

h1

Vida besta essa…

25 julho, 2008

A viagem de Glauco para a Holanda nos rendeu uma excelente tira: clique e veja maior.

Quer mais?

h1

Malvados

17 julho, 2008

Malvados.com
As tirinhas mais rápidas do oeste.

h1

A liquidação do mês

15 julho, 2008

Estou fascinada num livro de Imre Kertesz: Liquidação.

Na verdade, me sinto como ele descreve no livro: “Amargo foi tomado pela obsessão da leitura, essa paixão singular que delimitava a vida de maneira tão definitiva.”

É uma leitura que me deixou acesa numa noite de segunda, quando normalmente estou acabada e nem consigo assistir o CQC inteiro.

Imre é húngaro, ganhador do Nobel de literatura em 2002 e a minha primeira leitura prazerosa de um sobrevivente do holocausto. Normalmente fico enausiada, angustiada e chorosa quando vejo ou leio algo relacionado. Não consigo explicar. Talvez o sangue judeu ainda tenha força.

Mas o fato é que Kertesz não me mostra a dor de quem viveu aquela época. Mas a dor de quem vive em qualquer dia, em qualquer lugar e se depara consigo próprio.

E esta dor não me causa ânsias de vômito. É razão talvez de outras dores…

Sugiro a leitura, assim como de seus outros livros.

Agradeço o grande cartunista Caco Galhardo, que me passou esta informação importantíssima.

Imre Kertesz sentiu o que sinto, eu sei.

“Mas ele está radicalmente entediado. Hoje em dia é o único radicalismo que lhe restou. O tédio. Ele o carrega para todo lugar, como um cão peludo, bravo, que de vez em quando solta em cima dos outros.”